Após o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, transmitido em rede nacional de televisão e rádio na noite desta terça-feira, secretários da Saúde do Brasil divulgaram uma carta aberta, onde dizem “estarrecidos” ao discurso em que o presidente faz “uma tentativa de desmobilizar a sociedade brasileira, as autoridades sanitárias de todo o país”.

No texto, os gestores destacam que Bolsonaro contraria todas as recomendações passadas pelo Ministério da Saúde.

"Ao invés de desfazer todo o esforço e sacrifício que temos feito junto com o povo brasileiro, negando todas as recomendações tecnicamente embasadas e defendidas, inclusive, pelo seu Ministério da Saúde, deveríamos ver o Presidente da República liderando a luta, contribuindo para este esforço e conduzindo a nação para onde se espera de seu principal governante: um lugar seguro para se viver, com saúde e bem estar".

Em outro trecho da carta, os secretários de saúde dizem que 'todas as decisões e recomendações do Conass e do Ministério da Saúde têm se baseado em evidências científicas, na realidade nacional e internacional e buscado inspiração nas melhores práticas e exemplos de condutas exitosas ao redor do mundo."

Durante o pronunciamento, o presidente pediu a reabertura do comércio e das escolas e o fim do "confinamento em massa".

As medidas têm sido utilizadas no combate ao novo coronavírus, que já deixou 46 mortos no país. Bolsonaro também  criticou a cobertura da imprensa sobre a crise. Segundo ele, veículos de comunicação espalharam "a sensação de pavor" e potencializaram um cenário de histeria.

 

Fonte: O Globo

Postado por: Radialista Sergio Adriano / Web Radio Jaguar

Deixe seu Comentário